Open post

Você já perdeu dinheiro “investindo”?

Bem, se você tem mais de trinta anos e sabe que poupança não é investimento, certamente já perdeu algum dinheiro.

Mas, a rigor, de onde surge a “rentabilidade” dos investimentos?

De uma única fonte: dívidas!

Quando você “investe”, está comprando a dívida de alguém (ou um pacote delas – no caso dos Fundos de Investimentos). Pode adquirir títulos de dívidas governamentais (os mais seguros), de operações financeiras, de operações empresariais (as ações). Mas, sempre, está comprando uma dívida… e alguém deverá devolver seu investimento com o retorno (a rentabilidade) esperada.

De quanto?

Na média algo entre 0,6% a 1,2% AO MÊS.

Portanto, atenção: se você vir algum negócio bom demais, muito provavelmente existe um “segredo” por trás do seu investimento.

Na maioria das vezes, por trás de “todos os seus investimentos” (embora você não seja informado sobre isso), existem equipes de especialistas (autômatos ou não) operando na compra e venda desses títulos e perseguindo rentabilidades na ordem de 0,1% a 0,3% AO DIA.

Faça as contas… quanto você está deixando de receber?

Assuma o controle das suas finanças!

Open post

Empréstimo: Como saber se minha empresa precisa de um?

Grandes ou pequenos, uma significativas parcela de empresários e empreendedores sentem ainda um certo desconforto com o termo “empréstimo” (e “financiamento”) e, consequentemente, evitam culturalmente o crédito empresarial.

Mas, você sabia que existem momentos em que injetar recursos em seu negócio significa aumentar os lucros de modo significativo?

Tal medida pode representar tanto uma estratégia “defensiva” – em que a empresa busca manter sua posição de mercado frente a concorrência e alterações naturais de cenário -, quanto “ofensiva”, quando a empresa busca otimizar sua dinâmica, melhorar seu desempenho ou aumentar seu market share antecipando-se aos seus pares.

Apontamos, dessa forma, 7 situações que justificam a tomada de empréstimo por parte do empresário:

  1. Pesquisa e Desenvolvimento: a sociedade e os recursos tecnológicos mudaram e seu produto ou serviço precisa acompanhar as tendências e “evoluir” – investimentos em P&D costumam ser altos, envolvendo pesquisas de mercado, análises e intervenções científicas de alto custo, sourcing e rearranjos operacionais.
  2. Expansão da Capacidade Produtiva: com ou sem incrementos qualitativos no produto, sua empresa deseja aumentar sua produção por diversas razões – melhoria de desempenho, otimização da estrutura, demanda reprimida etc. – são investimentos que incluem reformas estruturais, aquisição de equipamentos, contratação de mão-de-obra e treinamentos.
  3. Expansão Mercadológica: sua empresa produz com desempenho e qualidade satisfatórios mas seus estoques são o problema. Você precisa expandir seus mercados através do aumento da força de vendas, dos canais de distribuição, exportação ou modelos de acesso.
  4. Investimentos em Marketing: sua empresa mantém um bom desempenho (quantitativo e qualitativo) até uma concorrente aparecer com mais fôlego financeiro para investir na visibilidade da marca – seus clientes migram para a concorrência e você precisará se reposicionar no mercado para manter o market share. Necessitará, nesse caso de profissionais de marketing e de campanhas assertivas para atender à sua demanda.
  5. Crescimento Acelerado: sua campanha de marketing foi um sucesso e sua demanda está maior que sua capacidade de atendimento – retornamos à questão da “demanda reprimida”. Você precisará de mais funcionários, mais tecnologia, mais estrutura.
  6. Consultoria Administrativa (jurídico-financeiro-contábil): sua empresa aumenta as vendas, aumenta a produção, mas não parece estar lucrando mais? Você precisa de rever seus resultados, custos, despesas, estratégias tributárias e desempenho operacional.
  7. Otimização e Diversificação de Portfólio: lembra daquela diretriz “em time que está ganhando não se mexe”? Isso não se aplica à gestão! Mesmo quando sua empresa estiver indo muito bem, procure otimizar sua curva ABC, seu fluxo de caixa e suas atividades operacionais – o que chamamos de “kaizen” (a melhora contínua) – e considere diversificar seu portfólio com novos produtos e serviços, como forma de proteger sua empresa das eventuais intempéries do mercado.

Segundo pesquisa do SEBRAE, existem ainda outras razões pelas quais as empresas solicitam crédito.

Seja qual for a sua necessidade… Conte com a Cabedal para orientá-lo!

Open post

Crescimento em 2020: 2,80%! Faça a sua parte!

Após quase cinco anos de recessão, 2019 apresenta esperanças significativamente concretas à economia brasileira. Segundo o Boletim Focus, as expectativas de crescimento (do PIB) são de 2,28% para 2019 e 2,80% para 2020.

No entanto, para melhor assinalar a recuperação da economia nacional, o Banco Central apresenta variações positivas em uma métrica muito mais impactante para o empresariado brasileiro: o saldo das operações de crédito (a empresas), que, pela primeira vez em três anos, vem registrando valores superiores aos de dezembro de 2015 ‒ demonstrando novo fôlego ao setor privado e, consequentemente, uma lenta porém efetiva recuperação da economia.

Essa expansão no crédito empresarial, todavia, ainda não se manifesta acessível a todos. Em pesquisa realizada pelo SEBRAE (agosto/2018), apenas 14% dos 6000 empresários entrevistados afirmou ter obtido empréstimo nos últimos 6 meses para o financiamento de seus negócios ‒ o menor percentual desde 2015.

Segundo a opinião dos entrevistados, os principais motivos seriam:

taxas de juros muito altas (47%)
falta de avalistas ou garantias (36%)
falta de documentação (22%).

À dificuldade na obtenção de empréstimo e financiamento para empresas – principalmente para as micro e pequenas – soma-se ainda a usual incapacidade técnica de seus gestores em identificar as reais carências na organização por aportes externos.

Segundo Jack Feliciano, ex-diretor do Programa de Pré-Aceleração de Startups da ONG InFolk no Brasil, “a maior parte dos empreendedores são especialistas no produto ou serviço com o qual pretendem operar no mercado e reúnem muito pouca – quando alguma – competência na área de gestão (…) Isso justifica a falência recorrente de ideias promissoras cujos gestores não conseguem conduzir suas iniciativas e não permitem que gestores técnicos o façam”.

A Cabedal se propõe a solucionar exatamente essas dores.

Quando acionada – usualmente quando o gestor sente a necessidade de recursos externos -, a Cabedal reúne corpo técnico especializado na identificação das necessidades pontuais da empresa: desde a correção de custos e despesas estruturais (tais como a otimização do uso de energia elétrica), a redução de tributos e o ajuste de gargalos produtivos até demandas e investimentos administrativos e operacionais que mais proficuamente impactam o desempenho organizacional.

Não obstante, a equipe assessora seus clientes na seleção das melhores linhas de financiamento atualmente disponíveis no mercado, no desenvolvimento de seu projeto de captação de fundos e análise documental e, até mesmo, na aplicação racional dos recursos obtidos.

Experimente um novo modelo de assessoria financeira!

Open post

Sua empresa tem dinheiro… e você não sabe!

Com cenário econômico estável, perspectivas sólidas de crescimento (com a sobreposição de várias curvas de expansão a partir de 2020) e mercado e investidores sedentos, o que está faltando para sua empresa investir em si mesma?

Podemos falar em aumento de capacidade produtiva, com a compra de equipamentos e tecnologia, contratação de mão de obra, treinamentos, consultoria ou mesmo a abertura de nova unidades produtivas. Ou em diversificação de portfólio, com pesquisa e desenvolvimento, sourcing, estabelecimento de novas cadeias logísticas (supply-chain) e definição de mercados. Sua empresa poderia, ainda, empreender a abertura de novos mercados, exportando, implementando programas de certificação e qualidade, expandindo ou treinando sua força de vendas. Enfim!

Suas opções são inúmeras. Mas, onde seus planos encontram obstáculo?

Sim, dinheiro! Absolutamente todo o projeto que você se dispuser a implantar em sua empresa exigirá recursos financeiros para sustentá-los – sejam eles quais forem. E, sabemos, esse é um problema recorrente! Não é?

Mas, espere! Sua empresa JÁ tem esses recursos… e talvez você não saiba!

Calma! O problema não é seu sócio, gerente, operador de caixa… não existe alguém levando o que não deve da sua contabilidade – pelo menos, não que a gente saiba!

O problema é apenas que você desconhece todas as linhas de crédito disponibilizadas pelo mercado – incluindo múltiplas opções privadas e governamentais em programas de incentivo a custos reduzidos -, não se dispõe a selecionar as melhores opções (ou justificadamente não reúne as competências técnicas necessárias à tarefa) e imagina que viabilizar a obtenção desses recursos é algo impossível.

Não é!

Linhas de crédito para os mais diversos fins estão aguardando você e sua empresa – só entre os bancos de desenvolvimento (como BRDE, BASA e BNDES) são mais de 50 alternativas!

Lembre-se que, na atual conjuntura econômica do país, “crescer” é mais que uma reação empresarial ao mercado e às suas oportunidades, é um dever cívico do empreendedor: sua contribuição à economia nacional e à sociedade.

Faça sua empresa crescer!

Se seu faturamento é superior a 300.000BRL (anuais) e você procura aportes a partir de 500.000BRL, a Cabedal pode ajudá-lo!

A Cabedal pode atuar desde a otimização de sua estrutura financeiro-contábil até o assessoramento no desenvolvimento de projetos de captação de recursos junto às mais diversas entidades creditícias.

O que você acha de tomarmos um café…

E descobrirmos juntos o dinheiro que você já tem – e não sabia?!