Open post

Chega de pagar mais caro por crédito!

Está na hora dos micro e pequenos conseguirem recursos de bancos públicos

Sejamos sinceros: micro, pequenos e médios empresários têm se virado como podem para conseguir cumprir com suas obrigações fiscais e financeiras e manter seus negócios prosperando. Isso porque o custo do dinheiro, a burocracia e as exigências de garantias pelos bancos, principalmente os públicos, são quase uma maratona de dificuldades para esses empreendedores na aquisição de crédito.

Para se ter uma ideia, uma pesquisa realizada pelo Sebrae aponta que 83% dos pequenos negócios não recorreram a crédito bancário em 2016 e que, 19% dos empreendedores que buscaram as instituições financeiras para obter financiamento em algum momento da vida empresarial, tiveram o pedido negado. A justificativa? Falta de linha de crédito adequada ao perfil do negócio. Será mesmo? Ou será que esses empresários apenas não contavam com o aparelhamento técnico para conseguir o crédito necessário junto aos bancos públicos?

Derrubando barreiras

“Ahh… empréstimo junto ao BNDES ou outro banco público é só para as grandes empresas, não para mim, que tenho uma microempresa.” Se você pensa assim, melhor rever sua análise. Se as grandes empresas conseguem valores altos junto ao BNDES, por exemplo, é porque possuem uma equipe técnica preparada para lidar com todas as exigências burocráticas. E é justamente esse aparelhamento técnico a diferença entre o sim e o não ao seu pedido de crédito. “Então! eu não tenho isso. Como vou analisar sozinho toda a documentação e montar um projeto bem estruturado se preciso vender?” Calma. A Cabedal pode ajudar você a derrubar as barreiras e alcançar esse objetivo, pois possui uma equipe técnica para oferecer suporte na estruturação de projetos de reabilitação financeira, de capacitação e de crédito corporativo.

Fazendo a lição de casa

Todo empresário quer crescer e prosperar e, para isso, precisa de crédito. Para consegui-lo é importante saber:

  • para que e quanto precisa de recursos;
  • como e onde conseguir essa grana;
    • bancos privados – exigências um pouco menores, porém, com taxas de juros enormes e prazo para pagamento, mais curto;
    • bancos públicos – taxas de juros menores, prazos maiores, mas com muito mais exigências burocráticas. O interessado não pode ter pendência financeira, fiscal ou tributária com o governo federal, caso contrário, não conseguirá o crédito;
  • como estruturar seu projeto com justificativa, cronograma e propósito;
  • quais documentos são exigidos para a obtenção de crédito em cada instituição.

Como toda lição de casa tem pesquisa, recomendo que assista aos mini vídeos dessa websérie e baixe essa cartilha gratuita. Afinal, quando se trata de crédito, informação vale ouro.

Não faça parte das estatísticas!

Lembra da pesquisa do Sebrae que citamos no início? Ótimo! Pois quero que não faça parte daquela estatística. Espero, sinceramente, que faça sua lição de casa e depois venha tomar um café conosco, aqui na Cabedal.

Vamos conversar de forma simples, sem economês, para entender suas necessidades e oferecer soluções técnicas e estratégicas para que você tenha acesso a recurso com toda a tranquilidade.

Quer crédito? Venha para a Cabedal.

Open post

Economia Digital

Com oito propostas bem definidas, o governo Bolsonaro mostra o quanto podemos crescer juntos se e quando elas forem implantadas, mas para isso todos devemos manter o foco nas tendências mercadológicas.

O ‘digital’ veio para ficar e com ele novas tendências que não imaginaríamos há poucos anos. Bancos sem agências; pedidos de táxis, comida, profissionais de beleza e saúde indo até o consumidor; séries e filmes na palma da mão e mais: bitcoins, o dinheiro, que não é ‘real’, mas virtual… o negócio é tão maluco, que exigiu das pessoas e das instituições uma mudança rápida na forma de pensar e agir.

“Que tiro foi esse?”

Ninguém viu, ninguém conseguiu prever a avalanche de novas tendências em tão pouco tempo. Hoje, o Brasil está, inclusive, tentando compreender o que essa Era que começou trocando a carta de papel pela ‘carta do computador’ está fazendo com a Economia.

Normas, regulamentações, leis e, principalmente, a visão do consumidor e suas experiências são as pautas dos grandes homens de negócios em nosso país. Prova disso é a quantidade de jovens empreendedores que estão sendo consagrados no Brasil e no mundo por pensar “fora da caixinha” e fazer os zeros se multiplicarem. A exemplo disso, podemos citar o sucesso da XP Investimentos que tudo indica, fechou o ano de 2018 com R$ 200 bilhões sob administração, segundo entrevista do CEO à Revista Exame.

E agora Bolsonaro?

No paralelo, o presidente Jair Bolsonaro tem em suas mãos, por meio da equipe ministerial da pasta de Economia, um baita abacaxi. Enquanto o mercado financeiro se transforma aceleradamente, por meio de ferramentas digitais, temos um enorme percentual da população que conta com o “dinheiro de papel”. Tanto, que o governo criou estrategicamente oito grandes metas para combater o legado que recebeu.

As oito propostas ministeriais da pasta de Economia são:

– Reforma Tributárias
– Reforma da Previdência
– Desvinculação do Orçamento
– Redução de Tarifas de Importação e abertura comercial
– Revisão de Sistema S
– Carteira Verde e Amarela
– 13º Bolsa Família

Todas as propostas mexem com a nossa vida financeira direta ou indiretamente e precisamos estar em alerta, por isso poupar é preciso, necessário e vital.

Com exceção das reformas tributárias e da previdência que é um tema discutido há meses pelo governo anterior e divulgado pela mídia, as demais ações são assuntos também em pauta, porém nem sempre de entendimento geral, por isso, vamos entender:

Desvinculação do Orçamento – Rever os pisos de gastos obrigatórios em saúde e educação, e a correção de despesas obrigatórias pela inflação. Para que isso ocorra, o governo deve criar uma emenda constitucional.

Redução de Tarifas de Importação e abertura comercial – Isso significa que os valores das taxas seriam mais baixos, o que nos ajudaria quando os produtos entrassem no Brasil, porém para isso acontecer temos que fechar novos acordos internacionais com os países do Mercosul, por exemplo.

Revisão de Sistema S –  O sistema S é como é conhecido o grupo de instituições que tem o seu nome começado com a letra “S” e tem por objetivo o treinamento profissional, pesquisa e assistência técnica social, ou seja, Senai, Sesi, Sesc, Sebrae, etc. Atualmente, as empresas repassam de 0,2% a 2,5% da alíquota patronal para essas instituições. A ideia do governo é que esse valor de repasse seja reduzido de 30 a 50%.

Carteira Verde e Amarela – Nova modalidade de carteira de trabalho, com menos direitos trabalhistas do que os atualmente previstos. Nesse caso, o governo precisará alterar a CLT para não interferir nos direitos adquiridos pela Constituição, tais como férias, 13º, FGTS.

13º do Bolsa Família – A ideia é incluir o benefício aos inscritos no Programa do Bolsa Família.

Como pode observar, as propostas mexem com redução ou planejamento orçamentário do governo, o mesmo que temos que fazer rotineiramente em nossas vidas. No caso da pasta, eles têm quatro anos para cumprir tais promessas, já você…os boletos do IPVA, IPTU, escola, etc já estão sob a mesa, por isso, vamos poupar, observar como as novas tendências podem cooperar com o seu dia a dia e usar da melhor maneira possível.

Se precisar, conte com a gente pra te ajudar!

Open post

Divine Académie – Prêmio Embaixadora Cultural

Pelo segundo ano consecutivo, Mylena Avelino, CEO da Cabedal Financial, participou da obra Segredos do Sucesso do ALTA GESTÃO. A obra que enfatiza a caminhada de executivos da Alta Gestão para a construção de uma bagagem de sucesso e muitos aprendizados, possibilitou a Divine Académie reconhecer os profissionais que são mencionados na literatura, além de ressaltar a importância à cultura.

*Prêmio de Embaixadora Cultural

 

Fotos do Evento:

Open post

Seguro de Vida para Vivos

 

Homens e mulheres, na maioria das vezes, não aceitam a palavra morte. Quando profissionais do ramo de investimentos oferecem a eles um seguro de vida, a corrida é quase certeira, afinal ‘isso eu pensarei quando ficar mais velho...”

O que a maioria não sabe é que a pouco mais de um ano, o Brasil passou a oferecer um seguro de vida resgatável, ou seja, você não precisa morrer para poder usufruir do prêmio.

O chamado universal life é um seguro que tem objetivos complementares ao do seguro de vida tradicional: a sobrevivência e a formação de um fundo de reserva para o segurado e/ou sua família.

E quais são as vantagens do seguro de vida tradicional e do resgatável? Para responder a essa pergunta, vamos falar das semelhanças e diferenças de ambos, assim, você perceberá que o raciocínio do ‘fim da vida’ será excluído de sua mente!

 

Semelhanças do Seguro de Vida Tradicional e Resgatável:

- Você deverá calcular todos os gastos da família para que o valor a ser pago pelo seguro e a indenização futura seja a mais próxima das necessidades. Nesse item é importante incluir:

* despesas atuais (moradia, alimentação, educação, por exemplo);

* despesas do evento – no caso de morte, essa despesa refere-se a funeral, inventário; e,

* despesas futuras - refere-se ao tempo que sua família levará para independência financeira.

- Estipular o tempo mínimo de investimento – 5,10,15,20 anos...

- No caso de invalidez total ou parcial por acidente o prêmio é pago.

 

Diferenças do Seguro de Vida Resgatável:

- O segurado pode resgatar o prêmio corrigido pela inflação + taxa de juros que varia entre 0 e 3%, de acordo com cidade e perfil do segurado, ainda em vida

- Não há necessidade de renovação, tão pouco de analise a cada “x” anos

- Ele pode ser transformado em um plano de previdência – VGBL ou PGBL

- O pagamento das parcelas pode ser feito em moeda americana, o que proporciona a abertura de uma conta no exterior e, promovendo, adicionalmente, a inclusão das taxas de espólio, menores do que as praticadas no Brasil.

- Em caso de falta de dinheiro para o pagamento das parcelas, você pode utilizar o excedente do seguro para pagar a parcela vigente; ou seja, é como se o seu rendimento pagasse o valor das parcelas.

E, o maior diferencial do seguro de vida resgatável, além da não necessidade de morte, está no fato do seguro ser incontestável. Você paga a apólice, você receberá o seguro de acordo com seu contrato.

O importante a ressaltar é que a sua segurança e de sua família, no momento de dificuldade, deve ser o principal gatilho para você utilizar seu dinheiro de maneira consciente, independente do tipo de ‘produto financeiro’ que você pretende utilizar.